sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Tarcísio Meira fará muita falta em "A Lei do Amor"

Nesta terça (24/01), foi ao ar um dos momentos mais aguardados de "A Lei do Amor": a derrocada de Magnólia (Vera Holtz), sendo desmascarada por Fausto, Pedro (Reynaldo Gianecchini) e Helô (Cláudia Abreu). A cena também marcou a despedida de Tarcísio Meira da novela, uma vez que o patriarca da família Leitão morreu logo depois que conseguiu se vingar da esposa traidora. E com certeza um dos atores mais respeitados do país fará muita falta na trama de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari, dirigida por Denise Saraceni.


A sequência da queda da vilã destacou o imenso e conhecido talento de Tarcísio, que pôde mostrar toda a sua força cênica, após meses deitado em uma cama e praticamente sem texto. O momento em que Fausto desmascara Mag diante de todos, durante a exposição de Helô, primou pelas ótimas atuações de todos os presentes, onde a troca de olhares foi um dos principais elementos durante o embate entre o empresário e sua esposa. Após a exibição do vídeo da sogra e do genro transando, o patriarca fez questão de afirmar que Suzana (Regina Duarte) foi morta pela madrasta de Pedro e que ele ficou em estado vegetativo por culpa dela.

Além dele, Vera Holtz, Cláudia Abreu, Camila Morgado, Grazi Massafera, Reynaldo Gianecchini e José Mayer brilharam ao longo da sequência e de todo o capítulo. Já a cena da morte do personagem primou pela emoção, comovendo os familiares, enquanto Fausto se despedia de um por um, após ter sofrido um infarto, já em casa.
A direção monótona de Denise Saraceni prejudicou, mas ao menos o elenco salvou. O patriarca fez questão de dizer que havia cumprido a sua missão e partiu. Tarcísio mais uma vez esteve esplêndido, saindo de cena em grande estilo.

A morte de Fausto já estava prevista na sinopse. Entretanto, em meio a tantas mudanças equivocadas e que só prejudicaram o andamento da trama, não seria um problema alterar esse desfecho. Afinal, mesmo enquanto ficou apenas imóvel em uma cama, o empresário sempre foi um dos melhores personagens da história. Tanto que o núcleo central melhorava à medida que o empresário ia se recuperando, apresentando evoluções na fala com a ajuda dos cuidados de Pedro, Analu (Bianca Muller), Luciane (Grazi Massafera) e Jáder (Érico Brás). Aliás, o fato de ter ficado praticamente sem texto ao longo dos meses não prejudicou em nada o desempenho do intérprete.

Tarcísio passava apenas pelo olhar e expressões faciais tudo o que Fausto pensava e sentia. Isso é desafiador para qualquer ator e muitos não conseguem transmitir as sensações do personagem com tantas 'limitações'. Ele, claro, atingiu o objetivo com louvor, o que não foi surpresa. Tanto que formou uma dupla impagável com Luciane, fazendo uma divertida dobradinha com Grazi. As cenas de Luciane contando piadas infames para o patriarca tinham uma certa inocência e evidenciavam a boa sintonia dos atores. Eles formaram uma improvável e ótima parceria. O sorriso sincero do empresário demonstrava o carinho que sentia pela nora. Já a tensão do personagem ficava clara quando Magnólia o ameaçava e Ciro (Thiago Lacerda) o chantageava.

Mesmo sem texto, o ator se destacava e era um dos pilares do núcleo central. Uma grande cena que merece menção foi quando Fausto se levantou e assustou Mag, provocando um desmaio imediato da vilã. O momento da aparição do empresário, já recuperado, para a filha Vitória (Camila Morgado) também vale ser citado, sendo vital para o desencadeamento do plano que arruinou Magnólia. Ou seja, o intérprete teve ótimas sequências na novela e a tendência era só melhorar. Afinal, com a recuperação do personagem, a quantidade de embates com a vilã iria aumentar, assim como os conflitos com Tião (José Mayer). A sua morte é de se lamentar bastante.

A presença de Tarcísio Meira engrandece qualquer elenco e esse seu retorno às novelas ---- o atual folhetim das nove era a sua primeira trama inteira depois do remake de "Saramandaia", em 2013 ---- estava sendo um presente para o telespectador. Após um longo período imóvel em uma cama (e ainda assim com destaque), o patriarca da família Leitão tinha se transformado no principal foco de conflito do enredo principal através de sua dissimulação diante dos vilões. Com o falecimento de Fausto, a história perderá muito e um dos mais queridos atores brasileiros terá sua ausência sentida em "A Lei do Amor". Pena.


28 comentários:

Lisa disse...

Matarem esse personagem foi mais um erro pra botar na conta desses autores...

Vânia Bertoldi disse...

Oi Sérgio, aproveito teu texto sobre este fato pra expôr algumas reflexões que julgo pertinentes.
Alterações em novelas para agradar o telespectador sempre foi um expediente muito usado na televisão, furacões e explosões em shoppings que o digam. No entanto, chama a atenção a maneira como este expediente vem sendo usado nas últimas novelas, principalmente das 21 horas.
Sem desmerecer o talento de Sílvio de Abreu, mais creio que sua atuação no Fórum de Dramaturgia têm se revelado um tanto quanto problemática, mostra disso é que desde que ele assumiu esse posto, as novelas das 21 horas têm penado pra atingir audiência e as alterações propostas pelo Fórum através do famigerado Grupo de discussão não surtem efeito e o pior desconfiguram as tramas, prejudicando o que já não é bom, como foi o caso de Babilônia. Outras situações que me incomodam com relação ao fórum é o cancelamento e adiamento de diversas tramas, como Jogo da Memória da Lícia Manzo. Me parece que há uma subestima da inteligência do público.
Mas voltando ao assunto do texto... Creio que A Lei do Amor era uma excelente novela nos primeiros 2 meses. Haviam problemas, como o elenco muito grande, mas creio que esses podiam ser resolvidos ao longo do tempo de maneira mais sútil. Mas através das alterações, a novela perdeu o rumo. Personagens promissores foram abandonados em detrimento de personagens menos relevantes, histórias que poderiam render bons conflitos foram descaracterizadas, enfim, mataram a novela. Quanto a morte de Fausto, se de fato necessária, poderia ser adiada para os últimos capítulos. Tarcísio é um grande ator e o personagem com certeza fará falta na história. Uma pena.

Nina disse...

Mais um texto excelente. Tarcisão fará muita falta e não tinha a menor necessidade de tirá-lo da novela.

Gustavo Nogueira disse...

A saída de Tarcisio Meira foi mais um erro dos autores e Fausto era um dos melhores personagens da novela, aliás nem a Regina Duarte deveria ter saído da novela, ela formaria um ótimo par com o Tarcisio Meira e teria ótimos embates com a Vera Holtz.Enquanto isso personagens chatos e desnecessários como Mileide, Gustavo e Misael continuam na novela.

Pamela Sensato disse...

Que pena que 'saiu'...o Tarcísio é um excelente ator!

Beijinhos ♥
*Blog Resenhas da Pam*

Zyon disse...

Até agora não entendi essa morte. Achei que com a recuperação dele começaria a virada do personagem, que passaria a enfrentar os vilões. Decepcionante.

Anônimo disse...

Fará não, já está fazendo!

Anônimo disse...

Morte mais desnecessária. Fausto era o melhor personagem e Tarsicio Meira brilhou do começo ao fim.
Que Desperdício!

Incrível é que nessa novela não há ninguém realmente pra torcer. Quem está interessado no romance água com açúcar de Pedro e Helô? E no triângulo Tiago/Izabela/Leticia? Ruth e Antônio?
O máximo que estamos interessados é na derrocada de Magnólia e Tião e olhe lá.

Se A Lei do Amor não tem audiência boa, é pela má construção dos personagens e a direção fraca.

FABIOTV disse...

Olá, tudo bem? A Lei do Amor, depois de uma reestruturação, encontrou um melhor caminho. Porém, é uma das piores novelas das nove já produzidas pela Globo. Abs, Fabio www.tvafbio.zip.net

Lulu on the sky disse...

Não acompanho a novela, mas o pouco que vi achei que a autoria poderia ter explorado muito mais Tarcisio Meira na trama.
big beijos

F Silva disse...

Algo a comentar...

Concordo plenamente com o post Sérgio. Os autores teriam sim oportunidades de criar muitos e ótimos entrechos com a permanência do Fausto na trama. Aliás, as cenas em que Fausto desmascara a Mag renderam ótimos números de Share pra novela. Mas entendo que essa é a história que Maria Adelaide e Vicente Villari quer contar, só resta mesmo é lamentar.

Agora, permita-me aqui fugir um pouco do post, e fazer um comentário sobre a atuação de Sílvio de Abreu. Vejo que muitos têm questionado equivocadamente e bastante as suas decisões.

Como podemos questionar o Sílvio pelas obras canceladas?

Lembremos que os êxitos dos autores no passado não são garantia de sucesso no futuro, "Geração Brasil" não repetiu o sucesso de "Cheias de Charme" ambas do mesmos autores. E "A Regra do Jogo" não repetiu o sucesso de "Avenida Brasil" também do mesmo autor.

Sabemos que primeiro é entregue ao Fórum uma sinopse(argumento) da trama que só depois de aprovada é entregue os 15 primeiros capítulos, que podem não ser aprovados. Só depois de aprovados, é que a trama passa a ser produzida, e não se pode afirmar com certeza, se agradará ou não ao grande público. Não temos acesso, nem as sinopses nem aos conteúdos dos capítulos das tramas canceladas.

Sílvio tem acertado no horário das seis com a aprovação de "Sete Vidas", "Além do Tempo", "Eta Mundo Bom" e "Sol Nascente", que mesmo sendo duramente criticada, tem cumprido com a meta do horário.

Aprovou os últimos sucessos das sete como "Alto Astral", "I Love Paraisópolis", "Totalmente Demais", "Haja Coração" e "Rocky Story", que independente de críticas em contrário, foram todas bem sucedidas.

A coisa tá pegando mesmo é no horário que ainda é considerado nobre. E vejo que os maiores responsáveis são os autores e não do Sílvio. Notemos que todos os fracassos recentes foram novelas com grande potencial. Me lembro que a maioria elogiou e se empolgou com os primeiros capítulos de "Babilônia" "A Regra do Jogo" "Império". E todas elas decepcionaram o público em seu encaminhamento.

Portanto, se tem alguém que tem culpa pelo grandes fracassos das nove, não é o Sílvio de Abreu, ou pelo menos, não é só ele.

Voltando ao post, acho que a saída de Fausto da trama de "A Lei do Amor", é pura e simplesmente mais um dos grandes equívocos dos autores, que revelaram com essa novela, uma falta de sintonia com o grande público, ávido por uma boa novela.

abraços

Sérgio Santos disse...

Infelizmente, Lisa.

Sérgio Santos disse...

Vânia, parabéns pelo ótimo comentário. Concordo com tudo, inclusive sobre alguns tropeços do Silvio de Abreu. Porém, verdade seja dita, o horario nobre já vinha problemático antes dele assumir o posto. E tb achei um absurdo o adiamento de Jogo da Memória.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Nina.

Sérgio Santos disse...

Exatamente Gustavo!!!!!!!

Sérgio Santos disse...

Fato, Pamela.

Sérgio Santos disse...

Pois é, Zyon....

Sérgio Santos disse...

Já está fazendo, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Concordo com tudo, Antônio, com exceção do romance de Pedro e Helô e Ruth e Antonio.

Sérgio Santos disse...

Oi, Fabiotv. Não acho uma das piores, mesmo com todas as mutilações.

Sérgio Santos disse...

Podia sim, Lulu. bjss

Sérgio Santos disse...

Obrigado, F Silva. E seu comentário está excelente. Endosso absolutamente tudo. Só discordo sobre o Silvio no ponto do adiamento de Jogo da Memória e transformação em minissérie. O elenco já estava quase todo escalado e só depois ele 'percebe' que a novela não se sustentaria por 90 capítulos? Um pouco tarde, né. Já os outros cancelamentos eu até entendo mesmo pq foram feitos antes das produções. E no caso da atual novela o erro dele foi em colocar o Ricardo Linhares pra 'salvar' A Lei do Amor. Justamente um ator que nunca teve sucessos em seu currículo e um dos responsáveis pelo fiasco de Babilonia. Abraços!

Anônimo disse...

começou intensa e, de tanto enrolar, terminou morna e bem fraquinha. Mas o pior ainda estava por vir. No final do capítulo, Fausto teve algum tipo de ataque que atingiu todos os índices da cafonice. A cena continua com ele moribundo, deitado na cama, já próximo da morte, com toda a sua família em volta. Fraco, o personagem tem tempo de se despedir de um por um. E enquanto isso acontece, ninguém teve a brilhante ideia de chamar um médico ou uma ambulância para tentar salvar a vida do homem. Ficaram lá, esperando a Dona Morte levá-lo. Afinal, Fausto estava superbem há apenas alguns instantes e, repentinamente, sofreu um problema. Como diria uma certa pensadora contemporânea, gente velha é um perigo, morre por qualquer coisinha... E assim encerra-se a participação de Tarcísio Meira em A Lei do Amor. Ele, que passou a maior parte do tempo deitado numa cama e vinha formando uma dupla até que divertida com Grazi Massafera (Luciane), quando finalmente deu a volta por cima, morre. Enquanto isso, Chatícia, Mileide, Sansão, Padre Paulo, Edu, Olavo e aqueles frentistas seguem firmes e fortes.

Rakelli disse...

Concordo com tudo o que F Silva e o anônimo de cima disseram, essa novela é de cair o c* da b#nda (com o perdão da palavra). Eu não teria aprovado a novela, seria melhor antecipar a da Glória Perez ou reprisar Selva de Pedra, aliás meu sonho é ver um remake dessa novela com Bruno Gagliasso de Cristiano, Alinne Moraes de Simone e Mariana Ximenes de Fernanda, ia ser um estouro! Voltando à A Lei do Amor, eu tiraria os personagens ruins citados, além de Bruno, Jéssica e aquele capacho da Luciane, deixava o Fausto, o senador Venturini, o Zelito e a Aline e colocava a Salete pra se envolver com o Pedro, deixando o público dividido entre ela e Helô.

Becky disse...

F Silva está certíssimo, e quem garante que Jogo da Memória ia fazer sucesso? Só porque a Lícia Manzo fez? Pessoalmente, detesto as novelas dela, acho uma chatice sem fim. Não chega aos pés do Maneco em seus áureos tempos, ele ao menos sabia construir bons personagens masculinos e colocava humor em suas histórias, coisa que Lícia Manzo não sabe fazer. Diferente dos horários das 7, as novelas das 9 só tinha medalhões como Gilberto Braga em decadência, um Maneco praticamente aposentado, o ressuscitado Benedito Ruy Barbosa e os aclamados João Emanuel Carneiro, Walcyr Carrasco e Aguinaldo Silva, que foram infelizes dessa vez. O que salvou Amor à Vida foi o Félix e a Valdirene, senão seria tão fracassada quanto as outras. E Império teve muitos problemas, mas mesmo assim eu considero a melhor novela desde Avenida Brasil, Aguinaldo foi o único que conseguiu consertar a novela no meio, se não fosse aquele segredo do Fabrício Melgaço e a falsa morte do Comendador, ele estava ferrado. Eu não teria promovido Maria Adelaide e Vincent Villari, Sangue Bom foi sofrível e A Lei do Amor (essa sim) foi um erro desde antes de começar. Se não queriam falar de política, por que aprovaram a novela? Se começaram falando do romance de Helô e Pedro, por que não continuaram? E não tô botando muita fé nas sucessoras não, estou quase certa de que Glorinha vai se perder em A Força do Querer, o que eu acho que pode salvar a novela é a história da Bibi Perigosa e a Ísis Valverde sereia; a do Walcyr não sei nada, mas já vi que vai ter uma anã, acho que vai ser legal vermos uma atriz anã no horário nobre, pode surpreender, mas eu tenho certeza que ele vai repetir os clichês de sempre e o casal principal (Cauã Reymond e Bianca Bin) vai ser tão enjoado quanto Jesuíno e Açuçena de Cordel Encantado e os protagonistas de suas últimas novelas (quem não odiava Paloma e Bruno de Amor à Vida e tinha ojeriza a Candinho e Filó de Êta Mundo Bom?). E mesmo sendo o meu preferido, Aguinaldo Silva está me causando calafrios com esse seu retorno ao realismo fantástico. Não sou uma grande fã de suas novelas que seguiam esse estilo e as informações divulgadas estão com cheirinho de flop. Por isso eu tô torcendo muito pra Manuela Dias fazer uma boa estreia no horário nobre, uma novidade é sempre bom.
E um remake de Selva de Pedra seria excelente, perfeito pro horário das onze, e os atores que Rakelli citou estão sob medida para os papeis (embora eu tenha certeza que dariam um jeito de enfiar Bianca Bin e Nathalia Dill no meio).

Sérgio Santos disse...

O infarto em si eu tb achei forçado, anonimo. Essa morte foi mt desnecessária.

Sérgio Santos disse...

Eu achei a sinopse da trama excelente, Rakelli.E a da Glória não tá me animando em nada, mas vai que surpreende...

Sérgio Santos disse...

Becky, discordo de quase tudo. E Lícia é uma grande autora, vide as primorosas A Vida da Gente (terceira novela mais exportada da Globo) e Sete Vidas, todas aclamadas pela crítica e público. E a melhor novela pós-Av Brasil foi Amor à Vida, na minha opinião. For o imenso sucesso que fez não só por Félix e Valdirene. Império achei regular, no msm nível de A Regra do Jogo. Com potencial,mas que se perdeu pelo caminho. A Lei do Amor se não tivesse sido mutilada teria muitas chances de ser uma grande novela e discordo que Sangue Bom tenha sido sofrível. Foi uma das melhores novelas das sete recente. Mas respeito sua opinião.