domingo, 27 de novembro de 2011

Malhação: um caso perdido?

A atual fase da "Malhação", que apresenta 'conectados' como subtítulo (e a primeira crítica sobre a temporada você pode ler aqui), enfrenta a pior crise de audiência da sua história. Vem marcando em torno dos 15 pontos e em dias considerados produtivos chega a atingir 18 na média geral. Índices críticos.

Para melhorar esses dados preocupantes várias mudanças no enredo original foram feitas. O telespectador que estava acompanhando com interesse a trama envolvendo a paranormalidade do protagonista (Gabriel - Caio Paduan) --- além dos mistérios envolvendo o número 1046 --- ficou a ver navios. Após ouvirem os grupos de pesquisa da emissora, constaram que essa temática ousada foi rejeitada e seria a causa principal da queda brusca de audiência. Resultado: parte do tema foi solucionado com mais rapidez e o restante dos possíveis mistérios foi jogado para debaixo do tapete. Agora optaram pela volta da mesmice. Os eternos triângulos amorosos e conflitos mais bobildos começaram a ter mais ênfase. Pela busca de um ibope maior a qualidade e a inovação foram deixadas de lado.

domingo, 20 de novembro de 2011

Casos de Família: quando o passado não condena

"O teu passado te condena" é uma frase muito aplicada ao cotidiano de todos. Ela costuma vir à tona quando a pessoa quer intimidar a outra, mostrando que se hoje é ela respeitada, em uma passado distante não era bem assim. Claro que vários programas de televisão se encaixam nessa expressão tranquilamente. Mas o "Casos de Família" pode ser considerado uma das exceções a essa regra.

Quando estreou em 2004, no dia 17 de maio, o programa era apresentado pela competente Regina Volpato. A atração sempre se baseou em contar os problemas que convidados estavam atravessando --- traições, pensões atrasadas, violência doméstica, briga de vizinhos etc --- e havia a interferência da plateia através de perguntas e questionamentos, além de uma opinião final de uma psicóloga (Anahy D`Amico).

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

A Vida da Gente emociona sem fazer esforço

Após 45 capítulos, "A Vida da Gente" teve a sua tão esperada passagem de tempo. Antes desse fato acontecer, a novela teve uma clara diminuição de ritmo. Mesmo assim, ao contrário do que acontece com as fatídicas 'barrigas' da maioria das novelas, não vimos diálogos avulsos ou cenas desnecessárias. Tudo que era mostrado tinha um objetivo específico. Tanto para mostrar o início da linda relação de amor entre Manuela (Marjorie Estiano) e Rodrigo (Rafael Cardoso); quanto pelos demais acontecimentos envolvendo Vitória (Gisele Fróes), Marcos (Ângelo Antônio), Dora (Malu Galli), o estado de coma de Ana (Fernanda Vasconcellos), o início do próspero negócio de Manu e Maria (Neusa Borges), enfim.

Lícia Manzo criou uma história tão linda e tocante que conquista facilmente o telespectador, e o 'mergulha' naquela gama de sentimentos em que os personagens estão envolvidos. Os atores, obviamente, também são grandes responsáveis por isso. Não há um só capítulo que não se tenha ao menos uma cena que emocione a todos que estão assistindo.

domingo, 13 de novembro de 2011

O problema do Zorra Total é a repetição

No dia 25 de março de 1999, estreou na Rede Globo um programa que tinha como objetivo ser uma espécie de "A Praça é Nossa" da emissora. Escolheram um nome que qualifica muito bem a atração : "Zorra Total". Vários humoristas da casa se reuniram e nos apresentavam pequenas cenas (esquetes) --- e normalmente com um bordão incluído para cada personagem. Apesar de ter sofrido algumas reformulações ao longo do tempo, essa característica permanece até hoje.

Desde a sua estreia, o "Zorra Total" vem nos apresentando um tipo de humor que é constantemente criticado. Apesar das duras críticas, a atração sempre foi um sucesso de audiência. Nunca se viu ameaçado pela concorrência (embora a mesma nunca tenha tido competência para enfrentá-lo de igual para igual), e é o programa humorístico que mais gera repercussão no país. Vários talentos já foram revelados ali.

domingo, 6 de novembro de 2011

Macho Man retorna com o mesmo fôlego de antes

A série, escrita pelos talentosos Alexandre Machado e Fernanda Young, sempre apresentou qualidade e, claro, o humor ácido característico dos autores desde a sua estreia. Não foi à toa que logo caiu nas graças do público e recebeu vários elogios da crítica especializada. Juntamente com "Divã", "Macho Man" obteve bons índices para a emissora. Outros produtos que estrearam na mesma época não tiveram a mesma 'sorte'. Basta se lembrar de "Lara com Z" e "Batendo Ponto".

Na segunda temporada, vimos Zuzu (Jorge Fernando) se casando com uma milionária excêntrica (Helô-Ingrid Guimarães) e largando o salão de beleza para virar uma espécie de cabeleireiro particular de sua esposa. A perua também acaba comprando uma parte do salão, para o desespero de todos. Valéria (Marisa Orth), indignada com a situação, fará de tudo para que seu melhor amigo, e amante nas horas vagas, largue a perua e volte para a sua vida de antes. Para isso contará com a ajuda de Nikita (Natália Klein), Fréderic(Roney Facchini), Tifany (Luanna Jimenes), Chérri (Rapha Veles) e Venetta (Rita Elmor); a patota que tanto nos diverte.

A Mulher Invisível procura sair do óbvio

Após uma primeira temporada de sucesso, obtendo ótimos números de audiência, "A Mulher Invisível" retornou à grade da Globo na última terça-feira. Pelo que foi observado, Pedro e Clarice continuam com seus problemas de convivência, mas dessa vez vimos um 'algo a mais'.

No primeiro episódio,pudemos notar que os roteiristas tiveram uma boa ideia em criar um homem invisível para Clarice. Agora a empresária certinha também idealizou a pessoa dos sonhos, assim como o Pedro fez ao 'criar' a Amanda. Dentro de um universo tão limitado quanto o da série,apareceu uma luz no fim do túnel. Em comparação com a primeira temporada(cuja crítica você pode ler aqui),observamos que a trama evoluiu bastante.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Força-Tarefa volta com a qualidade de sempre

Após duas temporadas de sucesso mais do que merecido, "Força-Tarefa" retorna à grade da Globo ocupando o horário de "O Astro"(cuja crítica você pode ler aqui ), que por sua vez havia entrado no lugar das já características séries da emissora.

Agora,a atual temporada irá abordar uma linha mais investigativa e focará nos problemas emocionais do Tenente Wilson, vivido por um impecável Murilo Benício. Pelo que observamos no primeiro episódio, o protagonista foi promovido e agora é Capitão, mas se encontra em um momento catastrófico em sua vida pessoal e também na profissional. Depois de prender um sargento que roubava eletrodomésticos das casas de moradores, em uma favela ocupada pela UPP, Wilson é ameaçado de morte e posteriormente vê seus amigos e companheiros de farda serem brutalmente assassinados. Com a morte de Irineu, Selma e Oberdan; Juliano Cazarré, Hermila Guedes e Henrique Neves deixaram a série. A saída da atriz é de se lamentar, já que era uma ótima personagem e Hermila sempre se destacava com sua boa atuação.