sexta-feira, 18 de maio de 2018

Coletiva da reprise de "Belíssima" no "Vale a Pena Ver de Novo" reúne time de estrelas

Nesta quarta-feira (16/05), a Globo promoveu uma coletiva de imprensa para o lançamento da reprise de "Belíssima", imenso sucesso de Silvio de Abreu na faixa nobre em 2006, no "Vale A Pena Ver de Novo". A reunião de parte do elenco foi realizada nos Estúdios Globo. É a primeira vez que a emissora promove um evento assim para uma reexibição e o motivo é o fracasso da reprise de "Celebridade", grande êxito de Gilberto Braga em 2003. O intuito, agora, obviamente, é divulgar bastante a nova escolhida para o horário, evitando um novo mau desempenho na audiência.


E foi um evento de peso. Silvio de Abreu, autor da trama e atual responsável pelo setor de teledramaturgia da Globo, esteve presente, assim como Fernanda Montenegro, Lima Duarte, Irene Ravache, Paolla Oliveira, Vera Holtz, Cauã Reymond, Reynaldo Gianecchini, Marina Ruy Barbosa, Alexandre Borges e Camila Pitanga. Até mesmo Denise Saraceni, diretora da novela, fez questão de participar desse reencontro. Reencontro bastante animado, vale ressaltar. Todos estavam claramente felizes e enfatizaram a todo momento o quanto foi prazeroso esse trabalho.

Um trecho de 20 minutos do primeiro capítulo foi reexibido para os convidados e provavelmente será o mesmo conteúdo da estreia da reprise, no dia quatro de junho. Apesar de breve (o original teve mais de 50 minutos), valeu muito a pena matar as saudades da arrogância de Bia Falcão, brilhantemente defendida por Fernanda Montenegro.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

"As Aventuras de Poliana" tem tudo para ser mais um sucesso infantil do SBT

"Carinha de Anjo", atual sucesso do SBT, estreou em novembro de 2016 e ainda está no ar. Virou regra na emissora de Silvio Santos estender ao máximo as produções infantis, aproveitando a ótima aceitação que todas vêm tendo com o público. Outro costume do canal (e até copiado recentemente pela Globo no "Vale a Pena Ver de Novo") é emendar a reta final de uma trama com o início da outra, aproveitando a migração de audiência. Como a história protagonizada pela fofa Lorena Queiroz está em plena reta final (já estava na hora), "As Aventuras de Poliana" entrou na grade nesta quarta-feira (16/05), iniciando uma nova saga que promete durar ainda mais que a de Dulce Maria.


Inspirada no romance "Pollyanna", um clássico da literatura infantojuvenil, de Eleanor H. Porter (1913), a nova novela é dirigida por Reinaldo Boury e escrita por Íris Abravanel, que também supervisionou "Carinha de Anjo". A missão da trama é, óbvio, manter os elevados índices da atual produção, que deixou "Apocalipse", da Record, em terceiro lugar praticamente todas as vezes. A confiança da emissora no produto é grande, pois, como já mencionado, planeja deixá-la no ar por mais de dois anos, se tornando uma das novelas mais longas do SBT (700 capítulos). Pena que isso muitas vezes desgaste o roteiro, criando uma barriga gigantesca e prejudicando a narrativa. A sorte do canal é que o público infantil dificilmente abandona uma história depois que foi conquistado por ela.

O enredo não é muito diferente das últimas tramas exibidas anteriormente. Poliana tem 11 anos e é uma menina doce e extrovertida. Ela viajava com seus pais, Lorenzo (Lázaro Menezes) e Alice (Kiara Sasso), na trupe de teatro mambembe Vagalume. Todavia, a protagonista vê seu mundo mudar quando a mãe morre e seu pai adoece.

terça-feira, 15 de maio de 2018

"Segundo Sol" tem estreia movimentada e embalada por nostálgica trilha sonora

"Tudo pode ser transformado. Tudo que se perdeu pode existir de novo. De outro jeito. Reinventado. Reconstruído de outra forma. Só depende de você. Só você pode dar uma nova chance para a sua vida". A premissa de "Segundo Sol", nova novela das nove, que estreou nesta segunda-feira (14/05), é bastante interessante. Mas não apenas porque pode render uma boa história e, sim, porque acaba servindo para o próprio autor. João Emanuel Carneiro foi o responsável pelo fenômeno "Avenida Brasil" (2012) e fracassou com "A Regra do Jogo" (2015), seu último trabalho na Globo. Ou seja, essa nova empreitada não deixa de ser uma nova chance para ele mostrar o quão é talentoso.


A última novela do escritor foi um tropeço em sua brilhante carreira e seu novo enredo tem tudo para conquistar o telespectador. João aposta agora no folhetim mais rasgado, deixando maiores complexidades de lado, com o claro objetivo de reconquistar o público. E sua estratégia se mostra bem correta, ainda mais substituindo o fenômeno "O Outro Lado do Paraíso", de Walcyr Carrasco, que arrebatou a audiência com um melodrama rasgado, repleto de clichês. Sai de cena o Jalapão e o lindo cenário de Tocantins, cedendo lugar para as belezas da Bahia. Ambientada em Salvador e na fictícia Boiporã, a trama traz duas fases separadas por 18 anos. A primeira se passa entre 1999, 2000 e 2001.

A vingança de Clara Tavares (Bianca Bin) é substituída pela saga de Beto Falcão (Emílio Dantas), cantor que estourou com o sucesso "Axé Pelô", em 1994, mas enfrenta a decadência no final dos anos 90, se dando conta da diminuição de seu cachê e precisando lidar com dívidas, contraídas pelo seu irmão, o 171 Remy (Vladimir Brichta).

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Massacrada pela crítica e aclamada pelo público, "O Outro Lado do Paraíso" foi um fenômeno incontestável de audiência

Walcyr Carrasco tinha uma missão ingrata: escrever uma novela em tempo recorde, logo após o sucesso "Êta Mundo Bom!" (2016), em virtude do cancelamento da trama de estreia de Duca Rachid e Thelma Guedes no horário nobre da Globo. Mas, fazendo jus ao posto de autor que mais produz na emissora, aceitou o desafio. E criou "O Outro Lado do Paraíso", folhetim rasgado e repleto de clichês melodramáticos, que contou a saga da vingança de Clara Tavares (Bianca Bin). O enredo sofreu uma forte rejeição de parte da crítica, mas caiu no gosto do público, entrando para a galeria de fenômenos de audiência do escritor ---- maior média do horário nobre desde a inesquecível "Avenida Brasil" (2012), com os mesmos 39 pontos de média, superando nove tramas antecessoras e elevando dois pontos da também ótima "A Força do Querer".


A novela arrebatou o telespectador com uma história ágil e cheia de reviravoltas, cujo maior trunfo foi a volta por cima dos perfis íntegros, humilhando os vilões em várias viradas ao longo de 173 capítulos. O início, todavia, não foi tranquilo. A primeira fase se mostrou longa demais, cansando pela repetição de conflitos. O sofrimento da mocinha, internada em um manicômio pela sogra (Sophia - Marieta Severo) e cunhada (Livia - Grazi Massafera), e espancada pelo marido violento (Gael - Sérgio Guizé), poderia ser exposto em apenas duas semanas. Entretanto, durou mais de um mês. E a audiência ficou em torno de 33 pontos, um bom índice, mas nada de arrebatador. O famigerado grupo de discussão também considerou o enredo pesado demais, necessitando de mais humor. A solução foi uma sucessão de cortes, resultando no adiantamento da mudança de fase e na consequente fuga de Clara do hospício. 

O resultado foi imediato. A novela passou de 33 para 36 pontos e foi aumentando ainda mais esses índices a cada novo acontecimento. Passou a marcar acima de 40 quase todo dia.  O sucesso já era uma certeza, então, o autor se preocupou apenas em desenvolver seu enredo. Acertou em vários pontos, mas também errou em outros. Como costuma acontecer em várias obras, diga-se. A saga da vingança da mocinha foi o maior êxito do folhetim, prendendo o telespectador do início ao fim.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Volta de Afonso promove ótima e aguardada virada em "Deus Salve o Rei"

A atual novela das sete da Globo tem claros problemas de desenvolvimento e a ausência de maiores conflitos sempre foi o principal ponto negativo da trama de Daniel Adjafre, dirigida por Fabrício Mamberti. Porém, é uma injustiça classificá-la como uma novela ruim. Não é. Sempre teve potencial para deslanchar e prender o telespectador com bons desdobramentos. Infelizmente, demorou bastante para apresentar uma boa virada, mas ela veio na última semana, rendendo ótimas cenas e despertando curiosidade em torno dos próximos acontecimentos.


A escolha do centésimo capítulo para apresentar a maior reviravolta do roteiro até agora foi apropriada, iniciando a retomada de poder de Afonso (Rômulo Estrela), após um longo (e arrastado) período vivendo como um plebeu ao lado de Amália (Marina Ruy Barbosa). O mocinho, na verdade, é o grande culpado por toda a desgraça que Montemor tem vivido por ter abdicado do trono pela mocinha, que também tem sua parcela de culpa, uma vez que não aguentou nem 24 horas dentro do castelo, preferindo voltar para sua vida de pobre. Esse mote, inclusive, foi um dos graves equívocos do roteiro, transformando os mocinhos em dois egoístas. Entretanto, a retirada do incompetente Rodolfo (Johnny Massaro) do poder era a única saída para consertar a bobagem feita pelo protagonista.

Afonso tentou retirar o irmão do trono antes, mas o plano não funcionou, resultando em sua prisão em uma padreira distante. Enquanto isso, Amália e Levi (Thobias Carrieres) eram feitos de refém por Virgílio (Ricardo Pereira), que também tentava "protegê-la" da ira de Catarina (Bruna Marquezine), cujo objetivo sempre foi matá-la para ficar com Afonso assim que ele destituísse seu atual marido. Todos esses novelos finalmente começaram a ser desmembrados, tirando o enredo do marasmo que se encontrava.

terça-feira, 8 de maio de 2018

Ana Lucia Torre se destacou e repetiu a boa parceria com Walcyr Carrasco em "O Outro Lado do Paraíso"

Ela é uma das melhores atrizes do país, embora não receba o devido valor. Sua carreira televisiva foi iniciada em 1977, na novela "Dona Xepa", quando viveu Glorita Camargo, uma perua falida. A partir desse trabalho, emendou várias outras tramas, como "Sinhazinha Flô" (1977), "Marron Glacê" (1979), "As Três Marias" (1980), "Ciranda de Pedra" (1981), "Corpo a Corpo" (1984), "Tieta" (1989), "Renascer" (1993), entre tantas mais. A profissional em questão é Ana Lucia Torre, que atualmente tem se destacado na pele da desbocada Adnéia em "O Outro Lado do Paraíso". 



A atriz iniciou seu trabalho no atual fenômeno das nove com poucas falas, sendo apenas uma coadjuvante de um núcleo paralelo. O foco era apenas a vingança de Clara (Bianca Bin). Porém, em virtude de críticas vindas do famigerado grupo de discussão da Globo, alegando falta de humor no enredo de Walcyr Carrasco, o autor resolveu transformar os conflitos de Samuel (Eriberto Leão) em situações cômicas. O núcleo, infelizmente, perdeu a oportunidade de tratar a homossexualidade de forma séria e várias ''esquetes'' se revelaram grandes bobagens. No entanto, quem ganhou com tudo isso foi Ana. 

Adnéia virou a personagem principal, representando a homofobia, o machismo e o preconceito presentes em tantas famílias. Aliás, é impossível ninguém identificar uma senhorinha dessas em seu seio familiar. Inconformada em ver o filho com Cido (Rafael Zulu), a mãe do psiquiatra fez de tudo para juntá-lo com Suzy (Ellen Rocche) e até chamou Irene (Luciana Fernandes) para reconquistar o atual namorado do médico.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Canal Viva desrespeita público ao editar "Bebê a Bordo" e cancelar reprises já anunciadas

O Canal Viva foi criado em 2010 com um único objetivo: presentear o telespectador com reprises de várias novelas, séries e programas da Globo, sem cortes. E a missão estava sendo cumprida com louvor ao longo desses oito anos de existência. Várias atrações e folhetins foram reprisados sem edições, preenchendo a grade do canal a cabo e matando as saudades do público. Porém, parece que agora a regra mudou.


A reprise de "Bebê a Bordo", novela de Carlos Lombardi exibida em 1988, começou a ser editada no dia 30 de abril e, segundo Cristina Padiglione, a razão é a fuga da audiência em virtude de fortes críticas a respeito do conteúdo 'apelativo' do enredo. O canal iniciou a reprise em 15 de janeiro e só agora passou a retalhar a trama. A explicação dada pela jornalista é bastante controversa, pois os números no Ibope nunca foram uma preocupação para canais pagos. Claro que todos querem um bom retorno, mas dificilmente tomam atitudes mais drásticas para elevar os índices, como mudar a programação repentinamente.

E o Viva, questionado pelos telespectadores e parte da imprensa sobre o assunto, se recusava a comentar. A única resposta era a burocrática frase: "A edição de Bebê a Bordo segue critérios de programação do Canal Viva". Obviamente, não satisfez ninguém. Os questionamentos continuaram.

sexta-feira, 4 de maio de 2018

"Segundo Sol": o que esperar da próxima novela das nove?

A missão de substituir um sucesso de audiência é tão complicada quanto entrar no lugar de um fracasso. Essa questão já foi levantada várias vezes aqui. Walcyr Carrasco foi a última pessoa a enfrentar esse desafio, lançando "O Outro Lado do Paraíso" depois de "A Força do Querer", a melhor novela de Glória Perez e responsável por elevar a média do horário nobre da Globo em nove pontos, após uma crise de anos. Mas o autor não só conseguiu atingir o objetivo, como emplacou mais um fenômeno em sua carreira, superando a trama antecessora e marcando a melhor média desde "Avenida Brasil". Um feito e tanto. Agora a responsabilidade é de João Emanuel Carneiro, ironicamente responsável pelo último folhetim citado.


O autor dos imensos sucessos "Da Cor do Pecado" (2004) e "Cobras & Lagartos" (2006), além da ousadas e excelentes "A Favorita" (2008) e a série "A Cura" (2010), tem como tarefa fazer jus a essas produções aclamadas pelo público, incluindo, claro, seu maior êxito da carreira: "Avenida Brasil" (2012). Isso porque João não alcançou o resultado esperado com "A Regra do Jogo" (2015), seu pior trabalho até então, que teve sérios problemas de desenvolvimento e uma audiência nada satisfatória. Seu último folhetim contou com um aparentemente audacioso enredo em torno de uma facção criminosa, mas falhou ao desmembrá-lo, afastando o telespectador.

Na época, cogitou-se a rejeição do público em roteiros mais realistas, em virtude do trágico cenário nacional, com telejornais anunciando corrupção e violência a todo instante. Mas a verdade é que a trama pecou em vários aspectos e o sucesso de "A Força do Querer", apenas dois anos depois, acabou reforçando isso.

quinta-feira, 3 de maio de 2018

O show de Marieta Severo em "O Outro Lado do Paraíso"

Todo ator prefere interpretar vilões, por mais que alguns neguem e digam que gostam de qualquer bom personagem. Afinal, o malvado, inevitavelmente, acaba tendo mais cenas impactantes e é o responsável pela movimentação de todo roteiro, fazendo a história andar. Não por acaso há tantos 'diabos' na lista de tipos marcantes da teledramaturgia. E, após 13 anos se dedicando ao seriado "A Grande Família", Marieta Severo conseguiu uma víbora no horário nobre em "O Outro Lado do Paraíso".


Ao contrário da doce e simpática Dona Nenê, Sophia tem tudo o que uma boa vilã precisa: é fria, cruel, só pensa em si, manipula e humilha os filhos, desgraçou a vida da mocinha e ainda só pensa em dinheiro. É um tipo maniqueísta, sem nuances, o que não é um demérito e nem uma qualidade, apenas uma característica do papel. E Marieta estava precisando demais de um tipo assim, depois de tanto tempo vivendo uma senhora tão querida por todos, cuja maior identidade era a paixão pela família.

A obsessão da vilã é pelas esmeraldas de Clara (Bianca Bin), usando a família para conseguir atingir seu maior objetivo. Walcyr Carrasco criou uma mulher maquiavélica e todo o processo de destruição da vida da mocinha foi construído ao longo da primeira fase, até a vilã interná-la em um hospício, isolado em uma ilha deserta, ficando com as terras da protagonista, após ter arranjado o casamento dela com o seu violento filho (Gael - Sérgio Guizé).

terça-feira, 1 de maio de 2018

Os vencedores do "Prêmio Extra" de 2017

Criado em 1998, o "Prêmio Extra" não foi realizado em 2017. Embora o jornal carioca não tenha publicado declaração alguma a respeito, é fato que a crise do país influenciou bastante, assim como a perda do patrocínio. Porém, os responsáveis resolveram lançá-lo no primeiro semestre de 2018, mas sem cerimônia de premiação. Ou seja, os leitores escolheram os vencedores, mas sem festa, indicados marcando presença, entrevistas, enfim.


E a demora na seleção dos premiados implicou em um clima de 'evento velho'. Afinal, várias novelas e séries indicadas acabaram há um bom tempo e até o 'prazo' de consagração das mesmas já passou. Mas, ainda assim, é necessário um balanço dos escolhidos e dos vencedores da premiação, que teve "A Força do Querer" com 11 indicações, "Novo Mundo" com 8, "Rock Story" com 7 e "Tempo de Amar" com 5.

Curiosamente, ao contrário dos anos anteriores, houve uma maior justiça na seleção de cada categoria, que passou a contar com seis indicados, ao invés de cinco. Muito provavelmente houve esse aumento por causa da não realização do evento de entrega, evitando assim mais convidados e mais custos. "A Força do Querer" merecidamente venceu como Melhor Novela (38% dos votos), concorrendo com a igualmente ótima "Novo Mundo", a elogiada "Rock Story" e a mediana "Tempo de Amar".

segunda-feira, 30 de abril de 2018

"Estrelas" saiu de cena desgastado e sem deixar saudades

O "Estrelas" estreou em abril de 2006 com Angélica recebendo convidados em um sofá e conversando sobre amenidades. Parecia uma versão vespertina do inesquecível programa noturno da Hebe, exibido no SBT. Porém, pouco tempo depois tudo mudou. A apresentadora começou a frequentar lugares diversos, levando convidados famosos e papeando com eles. Assim ficou estabelecido o formato da atração, que chegou ao fim neste sábado (28/04), após 12 anos no ar.


O término do programa parecia cada vez mais próximo. Os sinais de desgaste ficaram transparentes à medida que a produção tentava sair da mesmice, sem sucesso. O caso se agravou no ano passado, quando houve até uma tentativa de mudança no título. O "Estrelas" virou "Estrelas Solidárias". As entrevistas relativamente curtas com os convidados saíram de cena, cedendo lugar para campanhas de ajuda a pessoas necessitadas, incluindo ONGs, asilos, enfim. Ou seja, virou uma atração assistencialista, mas sem dinheiro envolvido. A ajuda era dada através de trabalhos manuais de Angélica e suas "estrelas" famosas. Sem casa nova, reforma ou prêmios.

Não funcionou. Com todo respeito que a causa merece, as situações mostradas só pareciam interessantes para quem estava participando. Quem assistia logo se entediava. Agatha Moreira, Giovanna Lancellotti e Tony Ramos foram alguns dos participantes do formato, se emocionando com a vida e a rotina das pessoas que ajudavam momentaneamente.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Ótimo como vilão, Ricardo Pereira convence na pele de Virgílio em "Deus Salve o Rei"

É sempre bom tirar um ator da sua zona de conforto. Após muitos anos vivendo vários personagens íntegros e justos, Ricardo Pereira ganhou a oportunidade de interpretar um ótimo vilão em "Deus Salve o Rei", atual novela das sete da Globo. E o ator vem defendendo bem um tipo com boas doses de maldade, que se revelou assim que foi traído por Amália (Marina Ruy Bardosa) na trama de Daniel Adjafre, dirigida por Fabrício Mamberti.


Virgílio era noivo da mocinha da história e parecia ser um sujeito honesto. Porém, a chegada de Afonso (Rômulo Estrela) mexeu com Amália e desde então o personagem se transformou em uma pessoa amarga e odiosa. Essa mudança foi bastante crível e até justificada, pois a mulher que ele amava o trocou por outro, que simplesmente "arruinou" todos os seus planos de uma família feliz com a plebeia. Um clichê que deixou o perfil mais denso.

O comerciante, então, assumiu o posto de vilão da novela, usando até os poderes de uma bruxa (Brice - Bia Arantes) para reconquistar a ex e enfrentando Afonso. Ricardo Pereira vem se destacando, transmitindo todo o ressentimento do personagem (impulsionado pelo ódio) sempre que surge em cena.

quinta-feira, 26 de abril de 2018

"Carcereiros" tem qualidade e uma boa proposta, mas cansa com o tempo

Após dois adiamentos e o lançamento da produção no aplicativo Globo Play, em junho de 2017 ---- os 12 episódios foram disponibilizados com bastante antecedência ----, a Globo finalmente estreou "Carcereiros, nesta quinta-feira (26/04), série coproduzida com a Gullane Filmes e escrita por Fernando Bonassi, Marçal Aquino e  Dennison Ramalho (com colaboração de Marcelo Staroubinas). Dirigida por José Eduardo Belmonte, a trama é protagonizada por Rodrigo Lombardi e aborda a dura vida dos agentes penitenciários do país.


A série teve problemas sérios antes de ir ao ar. Domingos Montagner era o ator escolhido para interpretar o protagonista, mas morreu afogado no Rio São Francisco, enquanto gravava "Velho Chico" (2016). A morte chocou o Brasil e a tragédia jamais será esquecida. Então, após o choque, a produção escalou Rodrigo para substituí-lo. As gravações foram feitas sem problemas e finalizadas. Entretanto, não puderam estrear por causa de uma sucessão de rebeliões violentas em presídios do Espírito Santo e do Norte do país. A emissora não achou apropriado.

Passado esse período de horror, outro empecilho foi observado: o ator já estava em "A Força do Querer" (interpretando o advogado Caio) e, para não abusar de sua imagem, o adiamento novamente se fez necessário. A saída da Globo foi, como mencionado inicialmente, lançar a série completa em sua plataforma de streaming.

terça-feira, 24 de abril de 2018

"Onde Nascem os Fortes" tem tudo para honrar a faixa das onze

"Amar, odiar, perdoar. Até onde vai a sua força?". A pergunta sempre presente nas chamadas de "Onde Nascem os Fortes" já deixava clara a intenção da nova trama das onze da Globo: provocar o público através de uma premissa irresistível. Afinal, o ser humano é repleto de camadas muitas vezes difíceis de decifrar, principalmente diante de adversidades. A história que começa a ser contada explora a saga da corajosa Maria (Alice Wegmann), que não mede esforços para encontrar seu irmão gêmeo, o provocador Nonato (Marco Pigossi). E o primeiro capítulo conseguiu apresentar essa intenção com louvor.


George Moura e Sérgio Goldenberg são autores que já viraram "experts" na faixa das 23h. Responsáveis pelas irretocáveis "O Canto da Sereia" (2013), "Amores Roubados" (2014) e "O Rebu" (2014), os dois sabem aproveitar toda a liberdade do horário mais tardio e a dupla ainda segue com a competente direção de José Luiz Villamarim e fotografia de Walter Carvalho, outros profissionais que também fizeram parte das produções mencionadas. Tendo como base o "currículo recente" deles, portanto, a chance da atual trama ser ótima é bastante alta.

Gravada no sertão da Paraíba, a "supersérie" tem o sertão como um dos seus alicerces. Segundo os escritores, é o protagonista do enredo que contracena sem ser filmado. E pela primeira vez a Globo exibirá uma novela (embora insista em não chamar mais assim na faixa das onze) já quase finalizada.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Eliane Giardini é um dos ótimos nomes de "O Outro Lado do Paraíso"

A panelinha dos autores, como já foi dito aqui inúmeras vezes, é algo natural. Todo escritor tem predileção por certos nomes e evidencia sempre em seus folhetins. Eliane Giardini entrou no ''time" de Walcyr Carrasco em 2013, na primeira novela das nove dele: "Amor à Vida". Porém, não foi uma experiência muito feliz. Ordália era mãe de Bruno (Malvino Salvador), mocinho do enredo, e acabou aparecendo bem menos do que deveria. Foi uma figurante de luxo. Um desperdício de talento.


Ou seja, parecia que o autor não a chamaria tão cedo. Felizmente, um lego engano. Em 2016, Walcyr a escalou para "Êta Mundo Bom!" e conseguiu se redimir com louvor. Deu para a atriz um dos melhores e mais importantes perfis do enredo: a milionária Anastácia, mãe de Candinho (Sérgio Guizé), o protagonista do sucesso das 18h. Eliane protagonizou grandes cenas ao longo da novela e emocionou no momento mais aguardado e sensível da trama, quando a ricaça reencontrou seu filho perdido, após tanto procurá-lo.

Agora, em "O Outro Lado do Paraíso", o autor novamente presenteou a intérprete com um excelente papel. Nádia é uma vilã cômica deliciosa, provocando ódio pelos absurdos preconceituosos que profere, ao mesmo tempo divertindo com sua total falta de noção e histeria. A personagem sempre foi um dos destaques da trama das nove, dirigida por Mauro Mendonça Filho, protagonizando um núcleo que tem o racismo e o machismo como foco.

quinta-feira, 19 de abril de 2018

"BBB 18" acertou em cheio na escolha dos participantes

O "BBB 18" teve a missão de apagar a péssima imagem do "BBB 17", que esteve cercado de polêmicas, entre elas a parcialidade descarada do apresentador, a conduta deprimente de um participante que acabou expulso e a consagração do jogo de uma menina mimada e egoísta. Embora as interferências parciais e desnecessárias de Tiago Leifert tenham se mantido, a décima oitava edição se mostrou um bom reality e acertou em cheio na seleção dos participantes.


Finalmente houve uma ótima escolha de jogadores, valorizando a diversidade e a pluralidade de temperamentos. Tanto que pela primeira vez o "BBB" não teve um participante considerado "planta" (apelido dado ao irrelevante ou passivo). Todos tiveram importância em determinado momento do jogo, deixando o reality bem movimentado, independente das eliminações. Isso porque nenhum eliminado chegou a fazer muita falta, em virtude da constante mudança de rumo na disputa.

Logo no início, a intelectual Mara esteve presente tentando combinar votos e fazendo intrigas. Foi a primeira eliminada, pois faltou sutileza em seu jogo. Mas teve uma boa presença. Já Jaqueline foi uma das poucas que protagonizou um barraco no programa, justamente quando estava no paredão. Mahmoud afirmou que ela tinha lhe prometido a imunidade caso fosse anjo e a participante se irritou quando soube pela fofoca de Ana Paula.

quarta-feira, 18 de abril de 2018

"Tá no Ar" - a TV na TV" homenageia o humor nacional e fecha mais uma temporada de forma brilhante

O "Tá no Ar - a TV na TV" encerrou sua quinta temporada nesta terça-feira (17/04) e não poderia ter fechado mais um ciclo de forma melhor. Marcelo Adnet, Marcius Melhem e Maurício Farias resolveram prestar uma merecida homenagem a todos os programas humorísticos do país, incluindo vários clássicos do passado e contando ainda com luxuosas participações especiais. Apesar do curto tempo de atração, houve espaço suficiente para todos receberem justos aplausos.


A já tradicional sátira aos absurdos da programação televisiva e aos próprios telespectadores foi deixada de lado por um só dia. Mas nem assim o formato deixou de ser engraçado. A diferença acabou sendo a mescla com momentos de pura nostalgia e emoção. Ney Latorraca, Cristina Pereira, Eliézer Motta, Tom Cavalcante, Berta Loran, Renato Aragão e Agildo Ribeiro foram algumas das grandiosas participações especiais que engrandeceram esse último programa do ano.

Ney incorporou o inesquecível Barbosa, da "TV Pirata", em uma hilária paródia da loja de eletrodomésticos: "O Barbosa enlouqueceu". Eliézer reviveu o querido Seu Batista, personagem presente em "Viva o Gordo" e "Escolinha do Professor Raimundo".

terça-feira, 17 de abril de 2018

Com personagens rasos e conflitos superficiais, "Malhação - Vidas Brasileiras" parece "Telecurso 2000"

Há pouco mais de um mês no ar, "Malhação - Vidas Brasileiras" ainda não disse a que veio. Com a dura missão de substituir a impecável "Malhação - Viva a Diferença", de Cao Hamburger, a atual temporada não tem conseguido chegar nem perto da anterior. Até mesmo a música de abertura da trama sugere uma espécie de promessa que nunca é cumprida. "Põe Fé Que Já É", de Arnaldo Antunes, tem uma expressão na letra, repetida várias vezes, que caiu como ironia para o enredo: "Agora vai". Mas será que vai mesmo? Até agora não foi.


A história de Patrícia Moretzohn vem se mostrando pouco envolvente e repleta de perfis rasos, cujos conflitos caem na superficialidade em virtude da falta de desenvolvimento dos mesmos. É a primeira vez que uma temporada de "Malhação" é baseada em um formato de fora, a produção canadense "30 Vies" ---- que teve 660 capítulos ----, e a nova proposta parece não ter sido uma boa ideia. O formato original consiste no rodízio de protagonistas, mudando o foco a cada 15 dias e tendo a professora como personagem principal, funcionando como uma mediadora de dramas. Mas essa solução simplesmente não vem funcionando até agora.

Não há construção de qualquer enredo e tudo parece jogado para o público. O erro começou logo no primeiro capítulo, quando exibiram uma bela homenagem dos alunos ao trabalho de Gabriela (Camila Morgado). A cena foi bonita, mas não teve a dose de emoção necessária simplesmente porque ninguém sabia ainda como era a relação dessa professora com seus "filhos postiços".

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Escalado para melhorar "Deus Salve o Rei", Ricardo Linhares não tem nenhum sucesso para chamar de seu

A atual novela das sete da Globo não vem dando os resultados de audiência que a emissora almejava. Afinal, houve um grande investimento em "Deus Salve o Rei" e uma campanha que nenhuma outra novela teve. Porém, a trama está longe de ser um fracasso. Tem alcançado em torno de 25 pontos no Ibope, cerca de 3 pontos a menos que o sucesso "Pega Pega" e praticamente o mesmo índice da elogiada "Rock Story". A verdade que é o caso da insossa novela sobre o roubo ao Carioca Palace foi uma exceção. O ''normal'' é a faixa atingir mesmo os números que o enredo medieval vem dando ou então uns 2 pontos a mais quando o folhetim está com muito êxito. Porém, já começaram a intervir no roteiro de Daniel Adjafre, dirigido por Fabrício Mamberti.


Alguns capítulos foram reescritos para dar mais dinamismo no enredo, procurando focar apenas nos conflitos de Amália (Marina Ruy Barbosa), Afonso (Rômulo Estrela), Catarina (Bruna Marquezine), Rodolfo (Johnny Massaro) e Lucrécia (Tatá Werneck), dispensando o foco em situações paralelas. Até então eram mudanças aparentemente pontuais e até naturais, pois a história da novela realmente carece de maiores acontecimentos e muitas vezes se mostra modorrenta. Não é uma trama ruim, mas apresenta problemas no desenvolvimento, expondo uma ausência de dramas convidativos. Bastaria uma alteração em torno do núcleo central, promovendo mais viradas.

No entanto, a situação se mostrou mais ''grave'' do que se imaginava. Isso porque Silvio de Abreu (responsável pelo setor de teledramaturgia da Globo) colocou Ricardo Linhares para interferir em "Deus Salve o Rei" e não se sabe o quanto que o escritor mexerá no roteiro de Adjafre. O grande mistério nisso tudo é a insistência em selecionar Ricardo para "salvar" folhetins problemáticos.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Paula é a jogadora mais sensata e equilibrada do "BBB 18"

O "Big Brother Brasil" está em plena reta final e a décima oitava edição do reality cumpriu bem sua missão de entreter o público com um jogo movimentado. A seleção dos participantes se mostrou inspirada e pela primeira vez não houve jogador irrelevante (o popular "planta"). Todos tiveram importância e momentos de destaque, tanto positivamente quanto negativamente. Foi uma disputa boa de se acompanhar. E a pessoa mais sensata do "BBB 18" atende pelo nome de Paula.


Inicialmente, a participante parecia ser apenas mais uma mulher linda com o intuito de aparecer no programa , implicando em futuras tentativas de ser atriz ou apresentadora. Afinal, quase todas participantes com esse ''biotipo'' têm esse plano, sonhando em se tornar uma nova Grazi Massafera ou Sabrina Sato, ignorando o fato de ambas terem sido meras exceções ao longo de 18 edições. Ganhar o jogo é o de menos. Mas Paula calou a boca de quem achava isso. 

A jogadora foi se mostrando aos poucos, expondo uma visão que melhorava a cada dia. Ela simplesmente começou a "ler o jogo" como se estivesse assistindo de casa, analisando com precisão as atitudes dos adversários e criando boas alianças ao longo das semanas. Raramente errava a conjuntura dos paredões e como os votos seriam articulados.

terça-feira, 10 de abril de 2018

"Onde Nascem os Fortes": o que esperar da próxima trama das onze?

Em 2017, a Globo decidiu parar de chamar as produções das 23h de novela, adotando o termo "supersérie". O objetivo é vender melhor no mercado internacional, pois, algumas novelas da faixa, que já são curtas (cerca de 60 capítulos), foram condensadas ainda mais para o exterior. Porém, não poderia ter escolhido o momento pior. Afinal, "Os Dias Eram Assim" foi uma decepção e se arrastou ao longo dos meses com um enredo limitado e repetitivo. Não teve nada de super e nem de série. Todavia, em 2018, isso parece ter mudado. "Onde Nascem os Fortes" tem potencial.


Os autores que escrevem a trama têm um excelente currículo e justamente com enredos destinados a faixas mais tardias. George Moura e Sérgio Goldenberg produziram a elogiada "O Canto da Sereia" em 2013 e a primorosa "Amores Roubados" em 2014, duas minisséries que prenderam a atenção do público mesclando suspense e drama. A dupla ainda escreveu o excelente remake de "O Rebu", em 2014, resultando em uma novela repleta de empolgantes enigmas e personagens sombrios. Três produções irretocáveis. Eles também repetem a parceria com o ótimo José Luiz Villamarim e o competente Walter Carvalho como diretores. Ou seja, a possibilidade de um novo acerto é bem grande.

E o enredo é dos mais interessantes. Uma história cheia de amores impossíveis, ódio e perdão, que se passa no sertão nordestino, em um território onde, às vezes, quem vence é o mais forte e não a lei. A saga de Maria (Alice Wegmann) norteia a trama.

sexta-feira, 6 de abril de 2018

Ótimo como Afonso em "Deus Salve o Rei", Rômulo Estrela prova que está pronto para novos protagonistas

Tempos atrás, a Globo adotava um esquema de 'descanso de imagem' no seu elenco. Ou seja, atores que concluíam o trabalho em um novela raramente emendavam em outra. Porém, já há alguns anos isso acabou em virtude da economia. Afinal, ter vários atores recebendo sem trabalhar é bastante custoso. Então, agora quase todos vivem sendo requisitados para várias séries e folhetins, independente de imagem 'desgastada'. O resultado, obviamente, é um certo cansaço do público em ver sempre os mesmos rostos no ar. Por isso é importante a aposta em caras novas e ver Rômulo Estrela protagonizando "Deus Salve o Rei" pode ser enquadrado nesse exemplo.


Claro que ele não é um rosto novo. Estreou fazendo uma pequena participação em "Da Cor do Pecado", em 2004, na Globo, e fez várias novelas da Record ---- "Essas Mulheres" (2005), "Os Mutantes" (2008), "Bela, a feia" (2010), "Rei Davi" (2012) e "Balacobaco" (2012). Porém, o ator já estava merecendo um papel de maior importância desde que voltou para a Globo em "Além do Horizonte", problemática novela das sete exibida em 2013. Após bons desempenhos em produções da emissora dos bispos, ele conseguiu mostrar talento nas pouquíssimas cenas que fez nessa trama. E a certeza de sua capacidade se deu em "Além do Tempo", em 2015, quando viveu o interesseiro Roberto nas duas fases do primoroso folhetim de Elizabeth Jhin.

Um ano depois, Rômulo também se destacou em "Liberdade, Liberdade", mesmo em mais um papel pequeno. Era o assustador Gaspar, temido traficante de escravos na obra de Mário Teixeira. E em 2017, o ator brilhou na pele do Chalaça, fiel escudeiro de Dom Pedro, em "Novo Mundo", escrita por Alessandro Marson e Thereza Falcão. Era outro coadjuvante, mas nem isso impediu o intérprete de se destacar.